quinta-feira, 20 de abril de 2017

"VOCÊ" é uma das palavras mais difíceis de serem traduzidas em todas as línguas! - Legendas

Legendas do vídeo sobe a dificuldade de se traduzir a palavra "VOCÊ" entre todas as línguas... Este é mais uma tradução dos Fratelli de um vídeo do sensacional canal TED-Ed... Recomendamos fortemente a sua visita, curtida e inscrição no canal...Deleite-se!


Fratello Nero

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Somos ruins em Matemática? Uma conversa entre gênios: Neil De Grasse questiona Richard Dawkins - Legendas.

Legendas de um vídeo sensacional, originalmente intitulado "Why most people are bad at Mathematics - Neil De Grasse Tyson asks Richard Dawkins". O vídeo é do sempre instrutivo canal "Cosmology Today". Aqui, legendamos esse delicioso bate bapo entre dois dos maiores gênios da atualidade... Deleite -se.




Fratello Nero

segunda-feira, 17 de abril de 2017

Aprendendo mesmo sob pressão, estresse ou medo... - Legendas.

Mais um vídeo legendado do ótimo canal do YouTube "Sprouts"... Nesse vídeo é explicado como é possível aprender mesmo estando sob forte pressão... Apreciem!



Fratelli Nero

João Doria Jr, a farsa, a demagogia, o mimado



João Doria, ou seja, João Dólar, transformou-se rapidamente na maior aposta do PSDB para as eleições de 2018. Apesar das negativas do atual prefeito de São Paulo, é mais do que óbvio que o empresário, publicitário, jornalista, apresentador de TV e figura política cada vez mais em ascensão dentro do PSDB deverá ser nome de destaque nas eleições de 2018, seja como candidato a governador ou mesmo na tentativa de ser o próximo presidente do Brasil.

Figura política apadrinhada pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, o ex-apresentador de Sucesso, Show Business, O Aprendiz e Face a Face cresce como alternativa viável em meio a um cenário de caos político que se instalou com a Operação Lava Jato e com as delação dos executivos da construtora Odebrecht.

Aécio Neves, por exemplo, candidato do PSDB em 2014 e que obteve 48,36% dos votos válidos, viu seu sonho de ser presidente em 2018 praticamente ruir. O nome de Aécio Neves é um dos principais acusados de ter recebido propina no monumental escândalo da Operação Lava Jato.

A trajetória de João Dólar como prefeito de São Paulo repetirá a de José Serra também eleito prefeito de São Paulo em 2004. E mais, assim como José Serra, João Doria também assinou um termo de compromisso se comprometendo a cumprir o mandato de prefeito até o final. Assim como fez José Serra, o vampiro anêmico, ao abandonar a prefeitura em 2006 para ser candidato a governador, João Dólar também deverá abandonar a prefeitura em 2018 para lançar-se candidato. No entanto, há a possibilidade de João Dólar ser candidato a presidente. Contudo, caso o atual governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, consiga emplacar sua tão sonhada candidatura a presidente em 2018, João Dólar deverá contentar-se com a candidatura ao governo de São Paulo.

Em 2006, quando abandonou a prefeitura, José Serra deixou o cargo para seu vice, Gilberto Kassab. Caso João Dólar repita Serra, Bruno Covas, neto de Mário Covas, deverá herdar a prefeitura. Sobre João Dólar, até mesmo dentro do PSDB, o nome do empresário não foi unanimidade. De acordo com Alberto Goldman ex-governador de São Paulo (assumiu o governo no lugar do... José vampiro anêmico Sérra): "Doria diz não ser político, mas administrador, empresário. Não é verdade. Ele mesmo se vangloria em ter sido presidente da Paulistur, no governo Mário Covas, e presidente da Embratur, no governo José Sarney, ambas empresas estatais da área do Turismo. Seu material de propaganda divulga que foi coordenador da campanha “Diretas Já”, o que também não é verdade. Exerceu cargos políticos, remunerados, profissionalmente. Agora é candidato a prefeito. (…) É um cidadão totalmente desprovido de escrúpulos, teve sua vitória nas prévias pelo abuso do poder econômico que tem e, infelizmente, pela ação do governo do Estado. É uma desgraça para o partido que desejo ardentemente salvar.”

João Doria é o rei da demagogia, no pior exemplo de cinismo político. O lema político de João Dólar, João ‘trabalhador’, não passou de falácia nas eleições de 2016. Filhinho de papai, mimado, começou a trabalhar aos 13 anos em uma agência de publicidade por indicação do pai, publicitário e ex-deputado federal. João gari aos 21 anos tornou-se diretor de comunicação da FAAP e da Rede Bandeirantes de Televisão, quando começou a carreira política como Secretário de Turismo de São Paulo e Presidente da Paulistur, durante o governo Mário Covas, e Presidente da Embratur no governo José Sarney. Duas empresas estatais. Uma trajetória muito diferente da maioria dos paulistanos. João Dólar representa que há de mais antigo e sujo na política brasileira, a elite proprietária de terras e de escravos do período colonial no Brasil. Mentira tem perna curta e logo o prefeito mimado será desmascarado.

*

Ângelo Luís

terça-feira, 11 de abril de 2017

A Matemática por trás do "Homem Vitruviano" de Leonardo Da Vinci - Tradução.

A genialidade do mestre Leonardo Da Vinci pode ser claramente comprovada nesta tradução de mais um vídeo sensacional do canal TED-Ed. , intitulado como "Da Vinci's Vitruvian Man of Math", e originalmente feito por James Earle. Apreciem, por gentileza...





Fratello Nero.

sábado, 8 de abril de 2017

7 dicas para você aprender um novo idioma!

Mais um vídeo legendado...Dessa vez um vídeo do ótimo canal "Sprouts" contendo 7 valiosas dicas para o aprendizado de uma nova língua...





Fratelli Nero

quinta-feira, 6 de abril de 2017

Se você quer realmente entender algo, tente explicar isso de forma simples!

Segue abaixo a tradução do vídeo"The Feynman Technique", direto do canal "Sprouts".
É um ótimo vídeo explicando a Técnica de Feynman, que proporciona uma melhor  produtividade no seu aprendizado...


Fratello Nero
 

terça-feira, 4 de abril de 2017

A Inesperada Matemática Escondida no Quadro "Starry Night ('Noite Estrelada')" de Vincent Van Gogh.

Legendas do vídeo "The Unexpected Math Behind Van Gogh's 'Starry Night'. É sensacional a forma como o trabalho de Van Gogh se conecta com conceitos matemáticos, mesmo que esses conceitos sequer eram conhecidos à sua época e, mesmo nos dias de hoje, não possuem uma explicação científica coerente... Deleitem - se!



Fratelo Nero

domingo, 2 de abril de 2017

Explicando o "Mito da Caverna" de Platão - A verdade ou a escuridão?

Legendas do vídeo " Plato's Allegory of the Cave", feito por Alex Gendler para o canal TED-Ed (link do canal aqui... Link do vídeo original aqui... RESUMO DA OBRA: É TUDO UMA QUESTÃO DE ESCOLHER ENTRE VERDADE OU HÁBITO... LUZ OU ESCURIDÃO...





Fratello Nero.

sexta-feira, 31 de março de 2017

A Matemática foi descoberta ou inventada?

Ótimo vídeo creditado à Jeff Dekofsky no esplêndido canal TED-Ed. Ele conta um pouco da história a Matemática debatendo uma interessante questão relativas às origens dessa bela ciência... Divirta-se!


Fratelli Nero.

quarta-feira, 29 de março de 2017

segunda-feira, 20 de março de 2017

A doce (e eventualmente cruel) história do Chocolate.

Tradução do vídeo "The History of Chocolate" do sensacional canal TED-Ed... O que é doce agora pode ter sido muito amargo antes...

Fratello Nero

terça-feira, 14 de março de 2017

Razões de nos afastarmos de quem nos ama e procurarmos quem nos despreza...

Tradução de um vídeo simples que explica nosso comportamento estranho contra quem gosta de nós e a favor de quem sabemos que nos faz e fará mal:


Fratello Nero

domingo, 12 de março de 2017

LULA E GETÚLIO, O BRASIL DÁ VOLTAS




Em vários bate papos por aí, ao longo dos anos, tornou-se comum dizer que o povo brasileiro não tem heróis no sentido nacional, popular e político do termo. Tem seu fundamento. No entanto, a singularidade da nossa tortuosa história, a indigência da nossa formação política e cultural, a carência de movimentos nacionais e populares na nossa formação, fraqueza das nossas virtudes coletivas e as dos nossos líderes e, principalmente, a violência recorrente das elites e do Estado contra os movimentos e líderes que lutaram por direitos e bem estar coletivo constituem causas dessa deficiência de heróis.

No curso da história do Brasil, dois líderes se aproximaram da ideia de herói no sentido nacional, popular e político do termo. Trata-se de Getúlio Vargas e de Lula. Getúlio Vargas inaugurou o populismo no Brasil, sendo Getúlio considerado o precursor e o maior exemplo do populismo no Brasil. Ele foi identificado como defensor das causas sociais e interesses nacionais, incorporando as massas urbanas ao processo político. Sua liderança carismática, o culto à sua personalidade e o grande apoio popular fez com que ele ganhasse o apelido de “pai dos pobres". No caso de Lula ainda não se chegou a uma definição na medida em que nunca é possível concluir algo de quem está vivo e cuja história ainda está em curso. Getúlio Vargas e Lula são, sem dúvida, os dois líderes nacionais que mais imprimiram um sentido ético à nação, no sentido de tentar unificá-la em torno do propósito de uma sociedade justa e do bem estar coletivo. Dito isto cabe observar que tanto Vargas (não cabe aqui julgar suas escolhas políticas etc.), quando vivo e mesmo que morto, e Lula em vida, sofre(ra)m uma perseguição tenaz por parte de setores das elites.

Ao querer se destruir sua representação simbólica quer-se destruir a sua expressão enquanto referencial do sentido ético do Brasil e de seu povo. Quer-se destruir aquela energia simbólica que pode ser fonte de emanação de lutas e mobilizações, no presente e no futuro, por mais direitos e justiça.

Quer-se destruir o sentido orientador da ideia de igualdade na construção de uma sociedade mais justa e digna. A destruição de Vargas e de Lula é a destruição de uma reserva de combate, por mais contradições e paradoxos que ambos representem.

O fato é que as elites brasileiras sequer suportam a presença e a simbologia de figuras como Vargas e Lula mesmo que em seus governos partes das elites tenham sido beneficiadas. É também nesta chave compreensiva que se deve entender a perseguição impiedosa que o juiz Moro (o herói das elites) e setores da Polícia Federal e do Judiciário movem contra Lula. De todos os processos e indiciamentos contra o ex-presidente, até agora, não há razoabilidade em nenhum deles. A perseguição, as denúncias vazias, os vazamentos seletivos, contudo, estimularam o golpe-impeachment e promoverem danos irreparáveis a Lula.

Como explicar a conduta desses agentes da perseguição? Os interesses são muitos, desde pessoais e políticos, vaidades, ódios, rancores e frustrações. Mas esses agentes não deixam de ser a representação da violência das elites brasileiras contra todo o sentido da construção ética de uma sociedade justa e igual e de tudo o que significa luta nacional e popular por direitos. Como serviçais das elites, esses agentes não deixam de se sentirem donos do Estado, donos dos instrumentos da violência concentrada, portadores de uma imemorial consciência dos privilégios patrimonialistas. Direitos, justiça e igualdade e a constituição ética do Brasil e da sociedade, portanto, são ameaças aos interesses, ao poder e ao mando das elites e de seus agentes.

De tempos em tempos promovem uma degola das conquistas alcançadas através das lutas. É isto que se está vendo neste momento com o governo Temer. Nestes surtos violentos e destrutivos da agregação social e do sentido ético, agridem também com mais violência as representações simbólicas dessas lutas e dessa construção. Os movimentos sociais e políticos progressistas precisam compreender que quando se trata de democracia, direitos, liberdade, justiça e igualdade nunca há uma garantia definitiva. A manutenção das conquistas e sua ampliação requer lutas e mobilizações permanentes.

Em artigo publicado em outubro de 2016 na Folha de S. Paulo, Lula afirmou que "Em mais de 40 anos de atuação pública, minha vida pessoal foi permanentemente vasculhada -pelos órgãos de segurança, pelos adversários políticos, pela imprensa. Por lutar pela liberdade de organização dos trabalhadores, cheguei a ser preso, condenado como subversivo pela infame Lei de Segurança Nacional da ditadura. Mas jamais encontraram um ato desonesto de minha parte." Ainda no mesmo artigo, Lula argumentou que: Jamais pratiquei, autorizei ou me beneficiei de atos ilícitos na Petrobras ou em qualquer outro setor do governo. Desde a campanha eleitoral de 2014, trabalha-se a narrativa de ser o PT não mais partido, mas uma "organização criminosa", e eu o chefe dessa organização. Essa ideia foi martelada sem descanso por manchetes, capas de revista, rádio e televisão. Precisa ser provada à força, já que "não há fatos, mas convicções". Artigo do Lula completo em http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2016/10/1823740-por-que-querem-me-condenar.shtml

Ainda sobre Lula e Getúlio: https://www.cartacapital.com.br/economia/os-paralelos-entre-vargas-e-lula-1



*

Ângelo Luís

sexta-feira, 10 de março de 2017

Mozart e a genialidade inerente à sua música.

Mozart compôs a Ópera "A Flauta Mágica"... Linda e genial por si só, uma análise mais acurada desta composição obrigatoriamente alarga o sentido de quaisquer qualidades inerentes a ela... Por isso traduzimos esse vídeo... Deleitem-se...



Fratello Nero

terça-feira, 7 de março de 2017

Como usar as palavras para conseguir o que você quer.

Como tudo na vida, a filosofia também explica a "lábia". Nesta tradução, Aristóteles mostra as ferramentas indispensáveis para convencer seu ouvinte...


Fratello Nero

sábado, 4 de março de 2017

"QUEM SOU EU?" Uma investigação filosófica.

"QUEM SOU EU?". O que me determina como indivíduo?Aquilo que sou hoje, aquilo que fui antes ou aquilo que serei? São questão mais complexas do que aparentam ser... Por  isso traduzimos esse vídeo... Veja e se questione! O link do original esta no final do vídeo...




Fratello Nero

Os 10 mais severos insultos na história da música clássica!

Confiram abaixo o vídeo que legendamos direto do canal HALIDONMUSIC sobre os mais infames insultos proferidos entre mestres da música clássica. A grande música também é feita de desafetos e desaforos, como aqueles que deram a ideia para esse nossso blogue: A célebro desavença entre Wagner e Chopin. O link para o vídeo original do canal HALIDONMUSIC está na descrição do vídeo:

Fratello Nero

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Fronteiras e Fronteiras

É preciso esclarecer que a velocidade da comunicação e as tecnologias digitais não tornaram o mundo pequeno. Ligar-se em rede e diminuir as fronteiras do mundo é uma escolha, algo como uma camada adicional de sociabilidade disponível somente agora para alguns, e que também, somente para alguns, faz sentido acionar.

As redes de comunicação propiciadas pela Internet têm a propriedade da conectividade e, ao mesmo tempo, são suscetíveis de funcionar como instrumentos de integração e exclusão.

A revolução tecnológica pode consolidar as desigualdades sociais e também aprofundá-las, produzindo um distanciamento cognitivo entre os que já convivem com ela e os que estão sem acesso a ela.

Através desse ambiente comunicacional, as fronteiras se relativizam e tem-se a possibilidade de adicionar, às noções de espaço e tempo tradicionais, uma nova noção de espaço, ou seja, o ciberespaço.

Assim, o acesso à Internet e aos seus instrumentos ainda é um fenômeno assimétrico, que pode levar ao mesmo tempo a um processo de exclusão e de integração sociais e pode nos dar uma sensação de um mundo sem fronteiras, devido, principalmente, ao aniquilamento do espaço pelo tempo.

Cada vez mais, tem sido comum ouvir por aí que há uma sensação de que a passagem de tempo está aparentemente mais rápida... Sinais do tempo ou do ciberespaço?

*

Ângelo Luís

sábado, 25 de fevereiro de 2017

O por quê de você TER QUE OUVIR "AS QUATRO ESTAÇÔES" DE VIVALDI!

Legendas de vídeo do canal TED - Ed. A música de Vivaldi, principalmente as composições "As Quatro Estações" são algumas das músicas que mais tocam nossa alma. Cada Estação é tratada pelo compositor de forma tão perfeita que sentimos seus ventos  em nossos rostos... Sentimos os cantos dos pássaros anunciando a primavera... Enfim, veja o vídeo e sinta os humores e as belezas que cada estação nos traz....


Fratello Nero - Cristovam

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Um adendo ao post “Reflexão Necessária” ... E como ficar estupefato e frustrado ao mesmo tempo...




Meu irmão escreveu no domingo um post ótimo sobre a Internet e todos os seus desdobramentos em nossas vidas, totalmente influenciadas nessa nossa era  pelas redes sociais e pelos mecanismos de busca rápida (leia-se Google). Perfeito. Não há o que criticar aqui (apesar de que a ideia inicial deste ambiente é exatamente isso: a crítica entre os Fratelli).
Porém, de minha parte cabe um adendo ao post: há uma questão que se encaixa na vida de todos aqueles que estão mais ou menos na mesma faixa de idade de idade que eu e meu irmão, entre 30 e 35 anos: nossa geração, aquela que cresceu e aprendeu a viver entre as décadas de 80 e 90, VIVEU COM E SEM A GRANDE TECNOLOGIA, VIVEU COM E SEM A INTERNET!
Nós temos algo especial. Eu achava que não tínhamos isso. Eu achava que nunca teríamos a chance de dizer para nossos filhos ou netos coisas que nossos pais ou nossos avós nos diziam. Verdades, exageradas ou não, como “na minha época não tinha essas coisas”, “na minha época eu já trabalhava com 8 anos”, “na minha época tinha ditadura”... Europeus ou americanos ainda podem dizer que ouviram de pais e avós coisas como “eu fui pra guerra, eu lutei contra não sei quem...”.
É claro que nunca vamos dizer coisas desse tipo. Afinal nossa geração nunca passou por nenhuma grande provação de fato, seja por meio de guerra ou crise econômica realmente severa. Mas sim, teremos histórias para contar. E vou provar isso. Perceba: assim como é muito bem mostrado no texto anterior de meu irmão, fato é que a Internet e suas variadas formas chegaram e dominaram o mundo! E o termo é exatamente esse: DOMINAÇÃO!
Ninguém mais escapa da Internet. Tudo é a Internet. Tudo está sendo feito pela Internet. Pessoas se conhecem pela Internet e acabam se casando, muitas vezes com amor sincero. Outras até se casam pela internet via conferência! Enfim, todos sabemos do poder e do alcance da Internet e também sabemos do quanto tudo isso ainda vai crescer.
Agora, eis a razão de nossa geração ser especial... Nós sempre seremos os únicos a experimentar a vida com e sem a Internet.  Nós, enquanto crianças, fizemos trabalhos e deveres de casa sem a ajuda de internet. Mas depois fizemos trabalhos para a faculdade com a ajuda da Internet! E mais: nós vivemos o fim de uma era e o começo de outra, não só com relação à Internet, mas a tecnologia em si! Vejamos outras situações:
Nossa geração brincou na rua, jogou bola na rua (e arrancou várias pontas dos dedões fazendo isso), mas nós também passamos horas na frente da TV jogando Super Mario. Nós nos comunicamos sem celular, até mesmo sem telefone, mas depois usamos e abusamos do celular. Nós apanhamos dos nossos pais, pois isso era normal... E muitos de nós, hoje em dia,  não batem nos filhos por verem em sites ou programas de TV que isso não funciona. Nós mandamos cartas (cartas mesmo, de papel... Aquele negócio de pôr no Correio...) para namoradinhas, e depois cantamos meninas pelo MSN. Nós trollamos pessoas apertando as suas campainhas e saindo correndo, hoje trollamos via Facebook... Aliás, antes fazíamos bagunça, depois passamos a “trollar”.
Mesmo que esses exemplos pareçam ser bobagem, coisa de criança, nada demais... Uma reflexão mais aprofundada da essência desses fatos e o entendimento das suas inserções nas realidades temporais a que pertencem, aliadas a necessária comparação com realidades outras, já passadas, mostrará que nada disso é pequeno, nenhuma dessas mudanças citadas é banal. Para perceber isso basta entender (aqui entra a história comparada) que as mudanças na vida de nossos bisavós para nossos avós e destes para nossos pais foram muito pequenas, isso no sentido de como a vida era levada, como as coisas eram feitas.  É óbvio que houve mudanças comportamentais, mas todas elas foram “normais”, típicas da passagem de uma geração para outra. Nada se compara ao que passamos, tudo devido a Internet.
A Internet trouxe mecanismos de busca rápida e ferramentas de interação social que, juntas, facilitaram a busca pelo conhecimento ao mesmo tempo que acabaram com as fronteiras geográficas. Não vamos aqui debater os efeitos colaterais disso tudo, não é o caso. O que quero expor é que essas facilidades de hoje, por serem tão impensáveis para as gerações anteriores, tornam nossa geração uma espécie de memória viva de um tremendo divisor de águas. Sabemos o que é a “Idade Média” da difusão da Informação e o que é o “Iluminismo”... Aliás, não só sabemos como hoje somos também a vanguarda desse Iluminismo da Informação.
Tudo isso me deixa estupefato. Sou de uma geração especial. Vi e continuo vendo uma transformação que está ocorrendo na humanidade que é tão ou mais importante quanto a invenção da roda, o início da agricultura, a invenção da imprensa por Gutemberg... Nada é como antes. Tudo é conectado, tudo é virtual, tudo é INTERNET. Enquanto a humanidade existir, assim como as invenções citadas acima, a Internet jamais sairá de nossas vidas (e de nossos filhos, netos, bisnetos...), jamais será deixada de lado simplesmente porque isso seria impossível. Vivemos, eu e minha geração, o fim e o nascimento de um novo mundo. E somos protagonistas. Éramos crianças, agentes passivos ao final de uma era. Hoje somos engenheiros, administradores, professores, contadores, blogueiros, médicos, dentistas... Somos a motor que está movendo o mundo. É tudo isso que me deixa estupefato. Porém, há algo que me deixa frustrado: O que tudo isso significa? Qual o nosso papel? Sei apenas de nossa presença numa mudança. Mas como toda essa interação funciona? Então... Minha Frustração é saber que a resposta para essas questões surgirão... Quando estivermos mortos.

Fratelli Nero

domingo, 19 de fevereiro de 2017

REFLEXÃO NECESSÁRIA

Vivemos desde 1994 a era da Internet (a importância da criação da Internet está, sem dúvidas, no mesmo patamar da invenção da escrita, da roda, do telescópio, dos óculos, da fotografia, do telefone, do avião, dos satélites...), período de intensa comunicação, informação de altíssima velocidade com que fatos importantes ou não correm o mundo em fração de segundos.




A Internet foi e tem sido uma revolução e não há dúvidas quanto a isso. Estima-se que, atualmente, 3,2 bilhões de pessoas estejam conectadas à Internet, ainda que aproximadamente 4 bilhões ainda não tenham acesso à rede mundial de computadores. O surgimento das Redes Sociais são outra revolução, afinal, através de alguns sites de relacionamentos (Facebook, Instagram, Twitter etc.) pessoas estão conectadas por um ou vários tipos de relações, que partilham valores e objetivos comuns, interesses e objetivos semelhantes.

O principal site de relacionamentos do mundo é o Facebook. E é através do Facebook que cerca de 1,6 bilhão de pessoas relacionam-se compartilhando e curtindo publicações, postando links e fotos em imensa quantidade, além de realizarem diversos negócios.

No entanto, é preciso ficar atento. A Internet oferece vantagens e desvantagens. E com as redes sociais não é diferente. As pessoas de quase todos os lugares do mundo passaram a viver conectadas o tempo todo, em todos os lugares e esses novos hábitos moldaram o cotidiano das pessoas. Um novo estilo de vida surgiu: estamos todos conectados em todos os momentos. A comunicação e a transmissão de informação tornou-se instantânea.

Um exemplo de mau uso da Internet e seu consequente malefício reside na memorização e na acumulação de conhecimento. Através da ferramenta de busca mais famosa do mundo, o Google, as pessoas tiram todos os tipos de dúvidas: desde consultas médicas até trabalhos de pesquisa para a faculdade. A lei do mundo moderno é: se você tem alguma dúvida, digite no Google. Guglar tornou-se expressão comum. É preciso medir as consequências negativas dessa dependência. Afinal, é preciso filtrar informações, ter critério naquilo que será escolhido como adequado a uma pesquisa, a uma dúvida. É evidente que muitas das ferramentas do Google e também das redes sociais são interessantíssimas e extremamente úteis. Não devemos remar contra a tecnologia. Mas é importante, cada vez mais, avaliar o que é adequado ou inadequado. E a memória humana que antes do Google precisava armazenar mais informações com exatidão passou a ter um refresco, ou seria comodismo?

 Afinal, não há necessidade de decorar informações, datas, eventos. Tudo está no Google. Copiar e colar tornou-se muito fácil e um exemplo muito ruim dessa facilidade são os trabalhos escolares e acadêmicos pois, qualquer pesquisa solicitada e pronto, lá vão os alunos (estudantes) para o Google, o oráculo da atualidade. Aliás, foi através da internet que o mito da palavra aluno significar sem luz se disseminou. De acordo com o dicionário Houaiss, a etimologia da palavra "aluno" lat. Alumnus, i "criança de peito, lactente, menino, aluno, discípulo", der. do verbo alére "fazer aumentar, crescer, desenvolver, nutrir, alimentar, criar, sustentar, produzir, fortalecer etc."; ver alt-; f.hist. 1572 aluno, 1572 alumno .

O Google virou referência tanto para trabalhos de ensino fundamental quanto para trabalhos de conclusão de curso superior ou até mesmo para teses e dissertação de mestrado. Não tem problema nenhum reproduzir um texto de algum site ou lugar desde que seja citada a fonte. Outro grave problema são as citações de frases ou pensamentos. Clarice Lispector, escritora extraordinária falecida em 1977, por exemplo, é muita citada e/ou reproduzida só que a boa parte dos textos que a ela são atribuídos não são de autoria da excelente escritora brasileira! Clarice Lispector não é a única vítima. Diversos outros escritores famosos como, por exemplo, Carlos Drummond de Andrade, Mario Quintana, Pablo Neruda, entre outros, são vítimas habituais que circulam pela internet com textos que erroneamente lhe são atribuídos!



A questão fundamental está no equilíbrio. Usar o Google como ferramenta de busca, de consulta otimizou muitas coisas em nossas vidas. Mas, não devemos abrir mão de utilizar nossa memória, de consultar um livro ou ir a uma biblioteca para obter informações. É necessário aliar-se aos avanços da internet sem, no entanto tornar-se refém dela.

Um exemplo de mau uso das redes sociais é a exposição. Comenta-se sobre tudo e sobre qualquer coisa. Ora, será que é tão necessário, como ocorre com frequência com muitos usuários das redes sociais expor trivialidades do dia-a-dia ou, ainda, demonstrar insatisfação pública com colegas do trabalho, da faculdade, enfim, de qualquer ambiente que faz parte do nosso convívio? Vale a reflexão.

É preciso utilizar a Internet, (redes sociais, Google etc.) com critério. Separar o que serve do que não serve. Ser cauteloso e não deixar-se diluir em meio a turbilhão de mensagens. Em 1948, George Orwell escrevia 1984, uma obra-prima que permanece atual e cada vez mais surpreendente. O livro teve a intenção de descrever um futuro baseado nos absurdos vivenciados pelo autor. Uma leitura fundamental para qualquer pessoa e cuja história tem como principal foco o controle das comunicações, fazendo da televisão, onipresente, o seu poderoso olho policial, o Grande Irmão dobrava todos à sua vontade. O lema do regime era "BIG BROTHER is Watching You", o Grande Irmão está vigiando você. Nada, portanto, lhe escapava.

Invertendo a lógica do aparelho televisor (atualmente, televisor e internet; antes a era do rádio), obrigatoriamente ligado, sem outras alternativas de programas, era por meio do tubo (internet, redes sociais, ferramentas de busca) que ele controlava os cidadãos rebaixados a servos obedientes. Não podemos agir como servos obedientes e transformar nosso cérebro em artigo de decoração sujeito e exposto a decisões de empresas bilionárias. É preciso aproveitar o que é útil e jogar fora o que não presta.

P. S. Foi através da internet também que o mito de originalidade de George Orwell em 1984, escrito em 1948, foi desmistificado. Seria 1984 plágio de Nós, escrito entre 1920 e 1921 pelo russo Yevgeny Zamyatin? Vale a leitura do artigo: http://dedos.info/gon/1984-de-george-orwell/


*

Ângelo Luís

sábado, 18 de fevereiro de 2017

O que faz algo ser "Kafkaniano"?



Legendas de vídeo sobre a obra de Franz Kafka e sua influência no mundo de hoje (vídeo legendado do ótimo canal TED - Ed ). A análise no vídeo demonstra como Kafka, através de sua obra, mostra o quanto nossa vida é dominada por burocracias infindáveis e inúteis. A grande questão para Kafka, no fundo, é que a resposta para tudo isso está dentro de nós mesmos!


Fratello Nero

Esquerdista petista... Decime qué se siente!

Meu Deus! Intitulei este meu amontoado de ideias com um cântico de torcedores argentinos para chamar a atenção de esquerdistas petistas... Caramba! Será que isso trará mau agouro? Bom, deixemos isso de lado... Fato é que há algo muito estranho na defesa intransigente da esquerda petista com relação ao ex presidente Lula. Não me refiro às pessoas que o defendem no sentido estritamente legal. Refiro-me aos esquerdistas petistas que defendem Lula em absolutamente TUDO! É um Jesus na terra...
Antes de tudo, um esclarecimento: entendo que existe, hoje no Brasil, uma esquerda e uma esquerda petista. De forma bem rasa, explico: a primeira ainda é socialista, comunista, fortemente ideológica e considera o governo petista um governo de direita (José Arbex Jr., ex editor da revista esquerdista "Caros Amigos", é um exemplo dessa linha). A segunda, que se considera esquerdista apesar de ser petista, não passa de fanáticos apoiadores de Lula. Eles engolem tudo o que esse cidadão diz. Faço aqui mais uma diferenciação: não me refero, aqui neste texto, ao povão mesmo, que vê Lula como um deles (não os criticaria jamais por isso). Me refiro aos da classe média, alguns intelectuais, outros jornalistas etc... Gente que, por exemplo, escreve no Brasil 247.
Pois bem: essa esquerda lulista defende o ex presidente não como quem defende um estadista, um notável a quem admira... Defendem Lula, isto sim, com um bizarro comportamento bovino, devotando a ele uma fidelidade canina que, pra quem vê de fora, resta evidente que há algo de errado na capacidade intelectual desse povo. 
Mas esse não é meu foco aqui. Como indica o título, meu foco é saber o sentimento dessa massa sobre certas questões referentes a Lula. E nem vou citar algo a respeito dos 5 processos dos quais ele é réu. Vou focar apenas nas gigantescas contradições, mudanças de pensamento, discursos feitos conforme a situação, palavras ditas num dia e diametralmente mudadas no dia seguinte visando apenas o bem estar político de Lula. Vamos lá petista, decime qué se siente! Defendam seu mestre!


1- Lula ataca os Sarney,mas depois os defende  


No vídeo abaixo, de 2002, Lula ataca a oligarquia representada pelos Sarney. Veja: ele ataca exatamente a questão de que eles são eleitos pelo fato de que a mídia local é de posse deles. Ou seja, ele está dizendo que a população vota por falta de informação (ou excesso de propaganda). Assistam:


Porém, ai porém  (é sempre bom citar Paulinho da Viola...)! No vídeo a seguir, gravado em 2014, Lula fala exatamente o contrário do que disse anteriormente. E o que é pior: o que antes era, na sua concepção, falta de informação da população que elege um Sarney, passa a ser preconceito do repórter que o questiona se ele foi agradecer o apoio da oligarquia Sarney! Como se isso não bastasse, a dona Roseane ainda se faz de vítima de preconceito contra a mulher! Assistam abaixo:


É mole? É esse cara que a esquerda petista defende com unhas e dentes? Bom, vamos combinar que mudar de ideia até que é saudável... Mas tanto assim? E sobre os Sarney? Meu Deus... Então, aqui, pergunto sobre as contradições lulistas:
Esquerdista petista... Decime qué se siente!


2 - Lula ataca o conceito do... BOLSA FAMILIA!

Lula não toma jeito. Não adianta. No vídeo abaixo, ele está em campanha presidencial em 2002. Ele diz que o povo vota pelo estômago, já que recebe cestas básicas e outras benesses. O povo aqui não vota pela ideologia. Resumindo, ele diz que os governos, através de benefícios sociais, "compra" o voto do povo. Assista abaixo:


Não quero entrar, aqui, no mérito da questão sobre o Bolsa Família, mas me reservo o direito de dizer que acho, sim, um bom programa de distribuição de renda, ao contrário do que pensava o candidato Lula. Eu iria seguir o padrão de postar um vídeo de Lula falando uma coisa, depois falando outra.... Mas acho que aqui não é necessário, correto? Percebam: não estamos lidando com uma pessoa que amadureceu uma ideia que antes rejeitava, que observou situações que seriam a base de sua mudança de pensamento... Não! Estamos apenas lidando com alguém que diz e fez o que lhe era mais lucrativo no momento. Lula é malandro demais! Ele falou tudo isso na TV, criticando os programas sociais do FHC como o vale gás... Mas aí percebeu que sua crítica fazia um certo sentido e, assim, poderia fazer disso, as "doações", "as compras de voto" (como ele mesmo pensava que eram os benefícios sociais) o caminho para a perpetuação do poder! E não só manteve o que criticava, como o expandiu exponencialmente! O senhor Burns nunca faria melhor....Então, aqui, pergunto sobre as contradições lulistas:
Esquerdista petista... Decime qué se siente!


Fratello Nero