segunda-feira, 20 de março de 2017

A doce (e eventualmente cruel) história do Chocolate.

Tradução do vídeo "The History of Chocolate" do sensacional canal TED-Ed... O que é doce agora pode ter sido muito amargo antes...

Fratello Nero

terça-feira, 14 de março de 2017

Razões de nos afastarmos de quem nos ama e procurarmos quem nos despreza...

Tradução de um vídeo simples que explica nosso comportamento estranho contra quem gosta de nós e a favor de quem sabemos que nos faz e fará mal:


Fratello Nero

domingo, 12 de março de 2017

LULA E GETÚLIO, O BRASIL DÁ VOLTAS




Em vários bate papos por aí, ao longo dos anos, tornou-se comum dizer que o povo brasileiro não tem heróis no sentido nacional, popular e político do termo. Tem seu fundamento. No entanto, a singularidade da nossa tortuosa história, a indigência da nossa formação política e cultural, a carência de movimentos nacionais e populares na nossa formação, fraqueza das nossas virtudes coletivas e as dos nossos líderes e, principalmente, a violência recorrente das elites e do Estado contra os movimentos e líderes que lutaram por direitos e bem estar coletivo constituem causas dessa deficiência de heróis.

No curso da história do Brasil, dois líderes se aproximaram da ideia de herói no sentido nacional, popular e político do termo. Trata-se de Getúlio Vargas e de Lula. Getúlio Vargas inaugurou o populismo no Brasil, sendo Getúlio considerado o precursor e o maior exemplo do populismo no Brasil. Ele foi identificado como defensor das causas sociais e interesses nacionais, incorporando as massas urbanas ao processo político. Sua liderança carismática, o culto à sua personalidade e o grande apoio popular fez com que ele ganhasse o apelido de “pai dos pobres". No caso de Lula ainda não se chegou a uma definição na medida em que nunca é possível concluir algo de quem está vivo e cuja história ainda está em curso. Getúlio Vargas e Lula são, sem dúvida, os dois líderes nacionais que mais imprimiram um sentido ético à nação, no sentido de tentar unificá-la em torno do propósito de uma sociedade justa e do bem estar coletivo. Dito isto cabe observar que tanto Vargas (não cabe aqui julgar suas escolhas políticas etc.), quando vivo e mesmo que morto, e Lula em vida, sofre(ra)m uma perseguição tenaz por parte de setores das elites.

Ao querer se destruir sua representação simbólica quer-se destruir a sua expressão enquanto referencial do sentido ético do Brasil e de seu povo. Quer-se destruir aquela energia simbólica que pode ser fonte de emanação de lutas e mobilizações, no presente e no futuro, por mais direitos e justiça.

Quer-se destruir o sentido orientador da ideia de igualdade na construção de uma sociedade mais justa e digna. A destruição de Vargas e de Lula é a destruição de uma reserva de combate, por mais contradições e paradoxos que ambos representem.

O fato é que as elites brasileiras sequer suportam a presença e a simbologia de figuras como Vargas e Lula mesmo que em seus governos partes das elites tenham sido beneficiadas. É também nesta chave compreensiva que se deve entender a perseguição impiedosa que o juiz Moro (o herói das elites) e setores da Polícia Federal e do Judiciário movem contra Lula. De todos os processos e indiciamentos contra o ex-presidente, até agora, não há razoabilidade em nenhum deles. A perseguição, as denúncias vazias, os vazamentos seletivos, contudo, estimularam o golpe-impeachment e promoverem danos irreparáveis a Lula.

Como explicar a conduta desses agentes da perseguição? Os interesses são muitos, desde pessoais e políticos, vaidades, ódios, rancores e frustrações. Mas esses agentes não deixam de ser a representação da violência das elites brasileiras contra todo o sentido da construção ética de uma sociedade justa e igual e de tudo o que significa luta nacional e popular por direitos. Como serviçais das elites, esses agentes não deixam de se sentirem donos do Estado, donos dos instrumentos da violência concentrada, portadores de uma imemorial consciência dos privilégios patrimonialistas. Direitos, justiça e igualdade e a constituição ética do Brasil e da sociedade, portanto, são ameaças aos interesses, ao poder e ao mando das elites e de seus agentes.

De tempos em tempos promovem uma degola das conquistas alcançadas através das lutas. É isto que se está vendo neste momento com o governo Temer. Nestes surtos violentos e destrutivos da agregação social e do sentido ético, agridem também com mais violência as representações simbólicas dessas lutas e dessa construção. Os movimentos sociais e políticos progressistas precisam compreender que quando se trata de democracia, direitos, liberdade, justiça e igualdade nunca há uma garantia definitiva. A manutenção das conquistas e sua ampliação requer lutas e mobilizações permanentes.

Em artigo publicado em outubro de 2016 na Folha de S. Paulo, Lula afirmou que "Em mais de 40 anos de atuação pública, minha vida pessoal foi permanentemente vasculhada -pelos órgãos de segurança, pelos adversários políticos, pela imprensa. Por lutar pela liberdade de organização dos trabalhadores, cheguei a ser preso, condenado como subversivo pela infame Lei de Segurança Nacional da ditadura. Mas jamais encontraram um ato desonesto de minha parte." Ainda no mesmo artigo, Lula argumentou que: Jamais pratiquei, autorizei ou me beneficiei de atos ilícitos na Petrobras ou em qualquer outro setor do governo. Desde a campanha eleitoral de 2014, trabalha-se a narrativa de ser o PT não mais partido, mas uma "organização criminosa", e eu o chefe dessa organização. Essa ideia foi martelada sem descanso por manchetes, capas de revista, rádio e televisão. Precisa ser provada à força, já que "não há fatos, mas convicções". Artigo do Lula completo em http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2016/10/1823740-por-que-querem-me-condenar.shtml

Ainda sobre Lula e Getúlio: https://www.cartacapital.com.br/economia/os-paralelos-entre-vargas-e-lula-1



*

Ângelo Luís

sexta-feira, 10 de março de 2017

Mozart e a genialidade inerente à sua música.

Mozart compôs a Ópera "A Flauta Mágica"... Linda e genial por si só, uma análise mais acurada desta composição obrigatoriamente alarga o sentido de quaisquer qualidades inerentes a ela... Por isso traduzimos esse vídeo... Deleitem-se...



Fratello Nero

terça-feira, 7 de março de 2017

Como usar as palavras para conseguir o que você quer.

Como tudo na vida, a filosofia também explica a "lábia". Nesta tradução, Aristóteles mostra as ferramentas indispensáveis para convencer seu ouvinte...


Fratello Nero